Translate

sábado, 30 de junho de 2012

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Alentejo de todas as cores


Veste-se para cada estação do ano com a riqueza das cores que a Natureza sabe produzir, ouro e sangue, mar e céu, o vermelho aveludado da terra lavrada e a promessa dos verdes de Primavera, tapete bordado a ponto cruz de todos os matizes.  Não tem sombra, nem dela precisa!

No calor do Verão o voo da cegonha:

O ponto de exclamação de uma casa:

 Verde e vermelho:

Cores de Primavera:

De todas as cores:




quinta-feira, 28 de junho de 2012

Inseparáveis


Inseparáveis, por definição não se podem separar. Mas a definição vale enquanto vale. Muitas vezes os inseparáveis são separados...

Uma forte ligação:
 
Inseparáveis para a vida. Por isso se diz "dois pombinhos"...

A ave e o ovo, inseparavelmente:

 Separados mas inseparáveis:

O breve momento de um último beijo, antes da separação final...


quarta-feira, 27 de junho de 2012

Um jardim à beira mar



Um jardim à beira mar, franja colorida de uma ilha à deriva e poiso de aves de arribação, desejo de pintores e de adoradores do sol...











segunda-feira, 25 de junho de 2012

Saudade


 Tinha de chamar saudade a esta foto. Saudade do mar, da juventude, de algo que nunca se teve e não se sabe muito bem o que é...
(Hate these Google translations. Don't understand why it doesn't use my suggested alternatives!)

Para ouvir Saudade vai-te embora, na eterna voz de Amália, o fado de Júlio de Sousa, carregado no Youtube por madeira63


Saudade go away from my so tired heart
Lead to far away this my fate
It was written in the wind this passion
And at night the wind is my brother, come to forget the storm
I also want to forget this longing
Alas I can't, come back love because it's true

domingo, 24 de junho de 2012

Passos do corridinho

Rápido e brejeiro, o corridinho é a música e a dança do Algarve. 

Está uma roda parada
Á Espera do mandador
Mas agora cheguei eu
Siga a roda com valor!



Esta é a primeira quadra do baile. As seguintes vêm ao gosto de cada mandador...  E não cansa, porque se corre de gosto.

Para ouvir, o corridinho Alma algarvia








sábado, 23 de junho de 2012

Moinhos de Vento


O lamento do vento nas velas do moinho
era uma canção triste


Era a voz dolorida da solidão sentida
nas noites do moleiro


Memórias de histórias de tempos antigos
perdidos no vento


Os outros moinhos riscam na paisagem uma nova imagem
de uma solidão onde ninguém vive


E não restarão histórias nem memórias colectivas
pois morreram os moleiros




sexta-feira, 22 de junho de 2012

De comer com os olhos


Sem palavras - que enquanto se come não se fala :-)

Morangos com rosa

Pêssegos

Sumo de laranja

Uvas e pera

E são cerejas!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Dias de Girassóis



Girassóis, como uma homenagem ao Verão, ainda que este Verão pareça ter começado um pouco "acinzentado"...

Fotopoema 38

Today the world is not a sunflower because there are no stars and the birds fell asleep early in the morning on trees in the city

Today the world is not a sunflower because there are just words in the mouth of mankind and silence in their heart

Today the world is not a sunflower and the rain is not enough to bring forth the flowers of hope







quarta-feira, 20 de junho de 2012

O céu da minha janela


A minha janela tem um céu, um céu que me liga a nascente e a poente, e onde as cores da madrugada pintam sentimentos e o ocaso é um jardim.
Na minha janela as nuvens dançam e representam o seu eterno drama de guerras e de paz, a cada momento feitas e desfeitas como os sonhos de que se alimenta a minha imaginação.


Cores da aurora:

Sob um tecto invernal:

Lua cheia a nascente, céu ainda pintado com as cores do poente:

O abraço do Cristo-Rei:

Céu em chamas:

Linhas convergentes:

terça-feira, 19 de junho de 2012

Asas



Para ouvir:  Fado Gaivota, de Alexandre O'Neill e Alain Oulman, na voz eterna de Amália. Subido ao Youtube por rodvr.

Asas são pedaços de sonho, desejo profundo que nos faz vibrar,
vertigem de azul e mar...

 Asas de gaivota

Asas de andorinhas:

Asas de flamingos:

E mais asas de gaivota, grito de liberdade a romper a névoa da manhã:

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Lado a lado


Assim fomos feitos, para vivermos lado a lado...


Nas subidas da vida...




No desejo de vencer o tempo...




E quando o caminho, sendo já a descer, nos parece a mais difícil subida.